Blog de Tecnologia desenvolvido por Thiago Campos Pereira

Blog criado para documentar e disseminar o conhecimento tecnológico adquirido por Thiago Campos Pereira e colaboradores.

quarta-feira, dezembro 29, 2004

PowerBuilder e Oracle

1. Objetivo
O Objetivo deste documento é servir como guia de referência para os desenvolvedores que irão desenvolver / adequar as aplicações para trabalhar com o SGBD Oracle.
Neste documento estão informações importantes que devem ser levadas em consideração tanto no ambiente de desenvolvimento, quanto no ambiente de produção.
As informações neste documento podem ser alteradas à medida que são descobertos novos detalhes sobre a utilização do PowerBuilder com Oracle. Caso você possua alguma informação ou correção que deseja inserir neste documento, favor enviar um e-mail para tpereira@attps.com.br para que possamos manter este documento atualizado e confiável.
A versão mais atualizada deste documento pode ser encontrada no PublicFolder, na pasta \All Public Folders - Nova Estrutura\01. Corporacao\1.3 Áreas Meio\1.3.1 Engenharia de Produtos e Processos\PowerBuilder.
2. Instalando o Cliente Oracle
Devemos instalar o cliente Oracle compatível com a versão do servidor Oracle, ou seja, se o servidor for Oracle 7.0.3, devemos instalar o cliente para o Oracle 7.0.3, se o servidor Oracle for 8.1.7, devemos instalar o servidor Oracle 8.1.7, e assim por diante.
Em caso onde possuímos na rede dois ou mais servidores Oracle em versões diferentes, devemos optar em instalar o cliente Oracle referente à versão mais recente do mesmo, ou seja, se na nossa rede tivermos um servidor Oracle 7.0.3 e outro 8.1.7, devemos instalar o cliente Oracle 8.1.7, pois o mesmo é compatível com as versões anteriores do Oracle.
Caso você não utilize a versão compatível do cliente Oracle, você irá conseguir conectar normalmente ao Banco de Dados, mas poderá ter problemas com a utilização de alguns recursos do Oracle e até mesmo problemas de performance. A Oracle possui uma política agressiva de versões e a cada release que é liberado são constadas alterações críticas na forma de trabalho, podendo surgir novos problemas e obrigando a modificação da forma de trabalho.
Não é recomendado que sejam instalados duas versões do cliente Oracle em uma mesma máquina, sugerimos a desinstalação completa de uma versão do cliente antes de se instalar a nova versão do cliente. Algumas versões, possuir BUG´s nos softwares de desinstalação do Oracle, sendo necessário realizar a desinstalação manualmente. Mas, só faça a instalação manual se a instalação automática não funcionar.
Para realizar a desinstalação manual do cliente Oracle, siga os seguintes passos:
· Apague a pasta de instalação do Oracle (geralmente \Oracle);
· Apague os atalhos no menu iniciar\programas;
· Apague a chave do registry: HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ORACLE;
· Apague a chave do registry: HKEY_CURRENT_USER\Software\Oracle;
· Reinicie a máquina;

Após a desinstalação da versão anterior do Oracle, instale a nova versão deixando todas as opções padrões e selecione a opção de programador ou desenvolvedor, dependendo da versão do cliente.

3. Configurando o Cliente Oracle
Existem algumas configurações que devem ser feitas no cliente para que o Oracle identifique o servidor na rede.
Para realizar essas configurações, siga os seguintes passos (Esses passos podem variar de acordo com a versão do cliente Oracle instalado):
· No menu Iniciar / Programas / Oracle xxxx , entre no aplicativo Net Configuration Assistant (Dependendo da versão do Oracle instalado, esse aplicativo pode estar com o nome um pouco diferente e/ou em uma sub-pasta dentro da pasta de atalho Oracle);
· Configuração nos Métodos de Nomeação:
i. Selecione Configuração dos Métodos de Nomeação e clique em próximo;
ii. Selecione Local, Oracle Names e Nome do Host e clique próximo;
iii. Clique próximo e clique próximo novamente;
· Voltando a tela inicial novamente;
· Configuração do nome de serviço de rede:
i. Selecione configuração do nome de serviço de rede e clique em próximo;;
ii. Selecione adicionar e clique em próximo;
iii. Se o seu servidor for Oracle 8i ou superior, selecione a opção Oracle 8i ou um serviço de banco de dados mais recente, ao contrário, selecione Banco de Dados ou serviço de Oracle 8 release 8.0 (Em alguns servidores que passaram por um processo de migração ou tiveram a instalação personalizada, essas opções podem não funcionar corretamente, por isso, sugiro tentar configuração uma opção, se não funcionar, tente a outra opção);
iv. Informe as outras telas com as informações fornecidas pelo DBA e no final clique na opção de teste para realizar um teste de conexão ao banco de dados. Se o teste não funcionar, existe alguma configuração errada, tente refazer o processo e se não conseguir, procure um suporte técnico;
v. Finalize a configuração e se deseja adicionar mais algum servidor, repita os passos II a IV;

Existe uma outra forma de se realizar essas configurações que é copiando os arquivos de configurações a partir de uma máquina que está funcionando. Para fazer isso, procure os arquivo *.ora, que geralmente encontram-se no diretório \\network\ADMIN , e copie os arquivos para o direrório do Oracle na sua máquina (\\network\ADMIN ).
4. Testando o Cliente Oracle
Para testar o Oracle, abra o SQLPlus e efetue uma conexão ao Oracle. Caso a conexão seja realizada com sucesso, o Oracle está configurado corretamente.
Se você não conseguir conectar ao servidor Oracle, verifique se o usuário e senha estão corretos (Você pode fazer este teste a partir de uma máquina que está funcionando ou pedir o DBA para testá-los para você).
Caso o usuário esteja correto e você continua sem conseguir conectar ao Oracle, existe alguma configuração errada na sua máquina. Execute o Net Configuration Assistant e verifique as configurações do seu servidor, não se esquecendo de testar no final.
5. Conectando o PowerBuilder no Oracle
Para realizar a conexão do PowerBuilder ao Oracle é necessário que se verifique primeiramente se a versão do servidor Oracle é suportada pela versão do PowerBuilder, por exemplo, o PowerBuilder 6.5 não suporta conectar ao Oracle 9.x, sendo necessária a migração para PowerBuilder 8 ou superior. Neste caso, você pode até mesmo conseguir conectar ao Oracle 9.x utilizando o cliente do Oracle 8, mas não é um procedimento recomendado pela Sybase e você deverá assumir a responsabilidade dos erros que podem acontecer.
Depois de localizada a API para se conectar ao Oracle, clique com o botão direito sobre a mesma e selecione New Profile. Na tela que abrirá, configure as seguintes opções (Essas opções podem variar dependendo da versão do Oracle e estão baseados na configuração do Oracle 8) :
· Profile Name (Obrigatório) :
i. Descrição : Nome utilizado para você identificar o Servidor/Banco de Dados no ambiente de desenvolvimento;
ii. Valor a ser informado : Informe um nome que permita identificar o servidor Oracle
· Server (Obrigatório) :
i. Descrição : Nome do servidor Oracle
ii. Valor a ser Informado : O nome que você configurou no passo 3. Se você tiver utilizando Oracle 7, deve colocar um @ antes do nome, por exemplo, @server1 – Identificador do Servidor Oracle para a máquina;
iii. Configuração no objeto transaction : ServerName
· Login Id (Obrigatório) :
i. Descrição : Usuário no servidor Oracle;
ii. Valor a ser informado : O usuário que lhe foi passado para conectar ao servidor Oracle. Caso não possua, favor consultar o seu DBA.
iii. Configuração no objeto transaction : LogID
· Password (Obrigatório) :
i. Descrição : Senha do Usuário no servidor Oracle;
ii. Valor a ser informado : A senha que lhe foi passada para conectar ao servidor Oracle. Caso não possua, favor consultar o seu DBA.;
iii. Configuração no objeto transaction : LogPass
· CommitOnDisconnect (Obrigatório) :
i. Descrição : Essa opção informa se o Oracle deve realizar Commit (True) ou Rollback (False) quando ocorrer desconexão e existir transação em aberta, o que pode ser perigoso, pois se estiver TRUE e ocorrer uma falha de luz no meio da transação, ele fará Commit e a integridade do banco de dados ficará errada;
ii. Valor a ser informado : False (desmarcado)
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = "CommitOnDisconnect='No'/’Yes’”
· PowerBuilder Catalog Table Owner (Obrigatório) :
i. Descrição : Usuário que será utilizado para criar as tabelas de sistema do PowerBuilder;
ii. Valor a ser informado : O usuário que lhe foi passado para conectar ao servidor Oracle;
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “PBCatalogOwner='????'”
· Disable Bind (Obrigatório) :
i. Descrição : informa ao powerbuilder se ele deve enviar os parâmetros implícitos ou camuflados. Quando os valores vão camuflados através de variáveis, o Oracle armazena o comando em memória, monta o plano de acesso e apenas substitui as variáveis. Nas próximas vezes que enviar o comando, o Oracle identifica o comando em memória e apenas substitui as variáveis, ganhando-se performance;
ii. Valor a ser informado : Em produção, deve-se deixar este parâmetro como 0 (performance) e em desenvolvimento deve-se deixar este parâmetro como 1 (identificação dos valores das variáveis);
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “DisableBind=0/1”
· Static Bind (Obrigatório) :
i. Descrição : Em datawindow/datastore, verificar se os tipos e tamanhos dos campos no banco de dados são os mesmos gravados nos objetos;
ii. Valor a ser informado : 1 pois o comando já é validado ao salvar a DataWindow e não ficar validando produz uma melhor performance;
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “StaticBind=1/0”
· Enclose Table e Columns name in Quotes (Obrigatório) :
i. Descrição: informa se é necessário ou não incluir os nomes das tabelas e colunas entre aspas;
ii. Valor a ser informado : False (desmarcado)
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “DelimitIdentifier='No'/’Yes’”
· DecimalSeparator (Opcional) :
i. Descrição : informa como serão transmitidos os valores numéricos do banco de Dados. Dependendo da instalação do servidor, pode utilizar “.” ou “,”;
ii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “DecimalSeparator=','/’.’”
· Retrieve Numbers In Internal Format (Opcional)
i. Descrição : dependendo da instalação do Oracle, o PowerBuilder pode não reconhecer os números com casas decimais, sendo necessário configurar essa opção
ii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “NumbersInternal=1/0”
6. Cuidados nos comando SQL´s
Os comandos DML´s (Select, Insert, Update e Delete) possuem algumas particularidades com relação ao Oracle. Quase sempre, a solução para estas particularidades e sempre trabalhar com os comandos SQL´s utilizando DataWindow/DataStore e em modo gráfico, pois assim o PowerBuilder gera a sintaxe para o comando de acordo com o SGBD selecionado e tomando cuidado com as particularidades dos mesmos.
Mas, existem comandos que são específicos dos SGBD´s, como Getdate(), Sysdate, Convert(), DateAdd e etc... . Estes comandos devem ser evitados ao máximo e caso não possam ser evitados, será necessário criar um comando para cada SGBD, o que pode ser perigoso, pois o desenvolvedor pode dar manutenção em apenas um comando, esquecendo do outro e causando futuros problemas.
Abaixo está uma lista de algumas particularidades nos comandos DML´s no Oracle e como resolve-lós:
· Outer Join
i. Descrição : O formato do Outer Join do Oracle ( += / =+ ) é diferente da maioria dos SGBDs encontrados nó mercado ( *= / =* / Left Outer Join / Right Outer Join );
ii. Solução : colocar o comando dentro de uma DataWindow e deixa-lá em modo gráfico;
· Formato de Data:
i. Descrição : O Oracle trabalha com o Formado ‘yyyy-mon-dd’ no formato de data (2003-oct-15 ) utilizado em querys, sendo que pode diferenciar se o oracle foi instalado em idioma (2003-oct-15 é diferente de 2003-out-15)
ii. Solução :
1. Em SQL Embedded, podemos utilizar variáveis ao invés de montar a data como string ou utilizar a função To_date(‘data’,’Formato’);
2. Em DataWindow, pode-se utilizar argumentos ou utilizar a função To_date(‘data’,’Formato’);
· Join´s em comando UPDATE e DELETE
i. Descrição : O Oracle não permite utilizar Join´s em comandos UPDATE e DELETE;
ii. Solução : Reescrever o comando alterando os Join´s por Subqueries;
· Funções especificas do Banco de Dados
i. Descrição : Existem comandos específicos do SGBD
ii. Solução : Duplicar o código ou tentar desenvolver uma função com o mesmo nome e que monte o resultado experado.
7. Conectando a Aplicação no Oracle
Para realizar a conexão do PowerBuilder ao Oracle é necessário que se verifique primeiramente se a versão do servidor Oracle é suportada pela versão do PowerBuilder, por exemplo, o PowerBuilder 6.5 não suporta conectar ao Oracle 9.x, sendo necessária a migração para PowerBuilder 8 ou superior. Neste caso, você pode até mesmo conseguir conectar ao Oracle 9.x utilizando o cliente do Oracle 8, mas não é um procedimento recomendado pela Sybase e você deverá assumir a responsabilidade dos erros que podem acontecer.
Para conectar uma aplicação ao Oracle, as seguintes configurações devem ser feitas:
· DBMS (Obrigatório) :
i. Descrição : Qual SGBD será conectado
ii. Valor a ser Informado : Deve ser informado qual a versão do servidor Oracle que iremos conectar;
iii. Configuração no objeto transaction :
1. Oracle 7: O73 ORACLE 7.3
2. Oracle 8: O84 Oracle8/8i (8.x.4+)
3. Oracle 9 : O90 Oracle9i (9.0.1)
· Server (Obrigatório) :
i. Descrição : Nome do servidor Oracle
ii. Valor a ser Informado : O nome que você configurou no passo 3. Se você tiver utilizando Oracle 7, deve colocar um @ antes do nome, por exemplo, @server1 – Identificador do Servidor Oracle para a máquina;
iii. Configuração no objeto transaction : ServerName
· Login Id (Obrigatório) :
i. Descrição : Usuário no servidor Oracle;
ii. Valor a ser informado : O usuário que lhe foi passado para conectar ao servidor Oracle. Caso não possua, favor consultar o seu DBA.
iii. Configuração no objeto transaction : LogID
· Password (Obrigatório) :
i. Descrição : Senha do Usuário no servidor Oracle;
ii. Valor a ser informado : A senha que lhe foi passada para conectar ao servidor Oracle. Caso não possua, favor consultar o seu DBA.;
iii. Configuração no objeto transaction : LogPass
· CommitOnDisconnect (Obrigatório) :
i. Descrição : Essa opção informa se o Oracle deve realizar Commit (True) ou Rollback (False) quando ocorrer desconexão e existir transação em aberta, o que pode ser perigoso, pois se estiver TRUE e ocorrer uma falha de luz no meio da transação, ele fará Commit e a integridade do banco de dados ficará errada;
ii. Valor a ser informado : False (desmarcado)
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = "CommitOnDisconnect='No'/’Yes’”
· Disable Bind (Obrigatório) :
i. Descrição : informa ao powerbuilder se ele deve enviar os parâmetros implícitos ou camuflados. Quando os valores vão camuflados através de variáveis, o Oracle armazena o comando em memória, monta o plano de acesso e apenas substitui as variáveis. Nas próximas vezes que enviar o comando, o Oracle identifica o comando em memória e apenas substitui as variáveis, ganhando-se performance;
ii. Valor a ser informado : Em produção, deve-se deixar este parâmetro como 0 (performance) e em desenvolvimento deve-se deixar este parâmetro como 1 (identificação dos valores das variáveis);
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “DisableBind=0/1”
· Static Bind (Obrigatório) :
i. Descrição : Em datawindow/datastore, verificar se os tipos e tamanhos dos campos no banco de dados são os mesmos gravados nos objetos;
ii. Valor a ser informado : 1 pois o comando já é validado ao salvar a DataWindow e não ficar validando produz uma melhor performance;
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “StaticBind=1/0”
· Enclose Table e Columns name in Quotes (Obrigatório) :
i. Descrição: informa se é necessário ou não incluir os nomes das tabelas e colunas entre aspas;
ii. Valor a ser informado : False (desmarcado)
iii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “DelimitIdentifier='No'/’Yes’”
· DecimalSeparator (Opcional) :
i. Descrição : informa como serão transmitidos os valores numéricos do banco de Dados. Dependendo da instalação do servidor, pode utilizar “.” ou “,”;
ii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “DecimalSeparator=','/’.’”
· Retrieve Numbers In Internal Format (Opcional)
i. Descrição : dependendo da instalação do Oracle, o PowerBuilder pode não reconhecer os números com casas decimais, sendo necessário configurar essa opção
ii. Configuração no objeto transaction : DBParm = “NumbersInternal=1/0”
8. Distribuindo Aplicações que conectam ao Oracle
Para implantarmos um sistema PowerBuilder no cliente, devemos seguir os seguintes passos:
· Instalar o cliente Oracle : O cliente Oracle deve ser estalado conforme tópico 2 deste documento;
· Configurar o cliente Oracle : O cliente Oracle deve ser configurado conforme tópico 3 deste documento;
· Testar o cliente Oracle : O cliente Oracle deve ser testado conforme tópico 4 deste documento;
· Instalação do RunTime do PowerBuilder : O RunTime do PowerBuilder é um conjunto de dll´s que devem estar disponíveis para as aplicações PowerBuilder. Ele pode ser instalado localmente ou na Rede, sendo que a performance da instalação na máquina local é muito melhor do que na rede. É recomendo a utilização das últimas dll´s aprovadas pelo suporte técnico da att (informações sobre essas dll´s encontram-se no Public Folders da attps, no caminho \\All Public Folders - Nova Estrutura\01. Corporacao\1.3 Áreas Meio\1.3.1 Engenharia de Produtos e Processos\PowerBuilder\PowerBuilder e Banco de Dados.doc). O RunTime do PowerBuilder consiste das Seguintes dll´s:
i. PBVM80.DLL;
ii. PBDWE80.DLL;
iii. PBRTC80.DLL;
iv. PBTRA80.DLL;
v. LIBJCC.DLL;
vi. DLL para conexão ao Oracle : Essa dll depende da versão do cliente Oracle instalado e pode ser : PBO8480.DLL (Oracle 8) ou PBO7380.DLL (Oracle 7) ou PBO9080.DLL (Oracle 9);
· Instalação da Aplicação : A instalação da aplicação pode ser feita localmente ou na rede, sendo que a performance da instalação na máquina local é muito melhor do que na rede;
· Testar a aplicação;
9. Problemas e soluções
Abaixo estão listados alguns problemas e as soluções adotadas para erros relacionados com conexões a servidores Oracle:
· Erro ao desinstalar o cliente Oracle : Em algumas versões, o disinstalador do Oracle não funciona, sendo necessário realizá-la manualmente. Para isso, siga os passos listados no Tópico 2
· Não é possível conectar ao servidor Oracle : Após a instalação do cliente, não foi possível conectar ao servidor Oracle. Para resolver este problema, siga os seguintes passos:
i. PING o servidor Oracle para verificar se o servidor encontra-se na rede;
ii. Verifique se as informações para conexão com o servidor (ServiceName, Usuário e Password) estão corretas;
iii. Tente conectar utilizando a opção de Oracle 8, se não funcionar, tente com a opção de Orace 7 (Ver tópico 3);
iv. Verifique se existe outra máquina que conecta no servidor Oracle e tente configurá-la igualmente (Para realizar este procedimento, copie os arquivos *.ORA que se encontram no diretório \network\ADMIN )
v. Verifique se existe outro cliente Oracle instalado na máquina, caso existam, desinstale todos os clientes e instale o cliente referente a versão do Oracle mais recente da sua rede
vi. Se mesmo assim não funcionar, contate o suporte técnico da attps pelo e-mail tpereira@attps.com.br ;
· Erro no comando Insert: O Oracle exige a palavra INTO no comando insert (INSERT INTO ...), enquanto outros SGBD´s, como SQL Server e Sybase, aceitam o into, mas não obrigam a utilização.
· Erro nos comando UPDATE e DELETE: O oracle não aceita a utilização da clausura FROM no update e delete, sendo necessário alterar os comando para utilizar Subqueries ao invés de Join´s. Mas, este procedimento deve ser feito com cuidado, pois pode interferir na performance de outros SGBD´s, como SQL Server e Sybase
· Os relatórios exibem os valores decimais (101.15), como sendo valores inteiros (10115): Dependendo da instalação do servidor, este problema pode ocorrer e para resolvê-lo, devemos passar uma configuração na conexão com o Oracle. Para isso, altere os parâmetros de conexão ( DBParm) e informe para o banco NumbersInternal=1;
· Qual o formato de data que devo passar para o Oracle: Devemos utilizar o formado DD-MON-YYYY, mas podemos ter problemas com este formado por exemplo, para passarmos a data 21/10/2003 para um Oracle instalado em português, devemos passar 21-OUT-2003, já o para o Oracle em inglês, devemos passar 21-OCT-2003, e não tem como sabermos se o Oracle está em Português ou Inglês. Por isso, recomendamos sempre passar datas utilizando variáveis datetime do PowerBuilder, assim o próprio PowerBuilder cuida do formado da data. Mas, se mesmo assim você precisar montar a data, recomendamos utilizar a Função To_date (Essa função só existe no Oracle) e montar a data da seguinte forma : To_date(“21/10/2003”,”DD/MM/YYYY”);
· Problemas com campos decimais: Dependendo da versão do Oracle e idioma configurado no servidor, podemos ter problemas com a configuração do mesmo. Para resolver este problema, verifique qual o idioma utilizado no servidor e configure o cliente com o mesmo idioma. Para realizar está configuração, siga os seguintes passos:
i. Verifique o idioma configurado no servidor ou verifique o idioma em uma máquina que possui o Oracle funcionando. Para realizar essa configuração vá a seguinte chave do registry e verifique a configuração NLS_Lang em HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ORACLE\HOME0;
ii. Na máquina com problema, altera a configuração NLS_Lang, localizada em HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ORACLE\HOME0, para a linguagem compatível com o servidor (Em geral, essa configuração pod ser BRAZILIAN PORTUGUESE_BRAZIL.WE8MSWIN1252 ou AMERICAN_AMERICA.WE8ISO8859P1)
· Problema no pacote do Oracle (ORA-12637: Packet receive failed ) : Modifique a propriedade de autenticação. Edite o arquivo sqlnet.ora e altera o seguinte código: SQLNET.AUTHENTICATION_SERVICES= (none)
· Não faz o Rollback : Em algumas situações, onde a aplicação é parada no meio de uma transação (falha de Luz, Debug e etc...) a aplicação executa o commit dos dados, quando deveria executar o Rollback. Existe uma configuração no DBParm do Oracle (CommitOnDisconnect) que controla essa opção e o default é realizar o Commit. Por isso, é muito importante sempre passarmos a configuração CommitOnDisconnect=’No’ no SGBD Oracle.

10. Sobre este documento
Este documento foi desenvolvido com o objetivo de agrupar informações sobre a integração com o PowerBuilder e o SGBD Oracle. As informações aqui contidas, foram retiradas de documentos técnicos e experiência de diversos profissionais.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial